Calendar

São Paulo - SP / Brasil.

terça-feira, novembro 30, 2010

Quantum GIS 1.6 "Copiapó"

É com imenso prazer que eu venho postar sobre o lançamento oficial (27/10/2010) da versão 1.6 do QGIS, chamada Copiapó, e se você também estranhou por não ter nenhuma lua de Júpiter ou Saturno com esse nome, quebrando a tradição das versões do QGIS, não se espante pois esse nome é em homenagem aos mineiros que ficaram presos, soterrados em uma mina localizada na região do Deserto de Atacama no Chile (Acidente na mina San José em 2010).
Se você estava tão ansioso por esse lançamento, então não perca tempo e instale a nova versão.
Acesse: Quantum GIS 1.6 "Copiapó"

Comunidade Quantum GIS Brasil
Criada e mantida por Arthur Nanni (tradução da GUI – versões 1.0, 1.5 e 1.6), Christian Ferreira (tradução da GUI – versão 1.0) e Leandro Kaut (tradução da GUI – versão 1.5).
Acesse: http://qgisbrasil.wordpress.com

quinta-feira, novembro 25, 2010

Blog da Professora Arlete Meneguette - UNESP

A Professora Arlete Meneguette do curso de Engenharia Ambiental da UNESP (campus de Presidente Prudente - São Paulo) é uma das primeiras profissionais do Geoprocessamento, desde meados da década de 90 vem se dedicando ao ensino dessa disciplina (está entre professores renomados, como Crosta - Sensoriamento Remoto e Landin - Geoestatística na área de geoprocessamento) antes mesmo da invenção do GIS (termo que ficou popular só a partir de 2000). Como sempre ela dá boas dicas de geoprocessamento e cartografia, tinha até um curso de geoprocessamento á distancia com SPRING oferecido pelo NEaD (Nucleo de Educação á Distância da UNESP), como se pode ver nessa notícia do portal MundoGEO (29/04/2005):
Unesp oferece Curso On-line de Geoprocessamento
Estão abertas as inserções para o Curso On-line de Geoprocessamento da Unesp (Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho"), oferecido desde 1998.
Os objetivos principais do curso são oferecer subsídios teórico-metodológicos sobre Geoprocessamento; realizar aplicações de Geoprocessamento empregando o Software SPRING; capacitar o participante no uso da tecnologia da informação espacial e democratizar o acesso às geotecnologias. O curso é coordenado pela Professora Adjunto Arlete Aparecida Correia Meneguette ..." pena que não existe mais, pelo que me parece.
Acesse: http://arlete.meneguette.zip.net/index.html

Vetorização de Cartas Topográficas

Página do IBGE onde se encontra a orientação para produção sistemática de mapas:
http://www.ibge.com.br/home/geociencias/cartografia/vetori.shtm
http://www.ibge.com.br/home/geociencias/cartografia/validacao_da_vetori.shtm
Por se tratar de um documento, todo mapa deve ser produzido seguindo as normas e orientação do IBGE (e do Concar), pois produzir material cartográfico sem o mínimo conhecimento ou cuidados técnicos incorre em crime (de adulteração, falsificação, e outros que podem ser encontrados no Código Penal Brasileiro). Em resumo, como a cartografia é um dos pilares do geoprocessamento (e dos SIG, que são a materialização destes), é preciso seguir todas as orientações e normas referentes à produção e validação de mapas (mesmo os digitais).

Para tornar o assunto mais ameno, um site interessante que eu encontrei quando procurava um mapa indice da articulação das cartas 1:50.000 do Estado de São Paulo (é e acabei encontrando esse site do Paraná):
Instituto de Terras, Cartografia e Geociências - ITCG
Cartas Topográficas
"Nesta área encontram-se disponíveis Cartas Topográficas Rasterizadas, em formato TIFF e/ou JPG, não georreferenciadas, com exceção da escala 1:250.000 que possui dados vetoriais georreferenciados, no formato DWG. As cartas estão organizadas por escala e Mapa Índice (MI).
Ressalva-se que o acervo em formato digital das escalas 1:100.000 e 1:50.000 não se encontram completos, todavia, o ITCG busca atualizar os mesmos assim que possível."
É isso aí, se você precisava de um mapa topográfico de alguma região do Paraná é só baixar e vetorizar (seguindo as normas oficiais da cartografia brasileira, hein!).

6° Jornadas Internacionales gvSIG

Irá acontecer em Valência, na Espanha a 6° edição das Jornadas gvSIG entre os dias 01 e 03 de dezembro de 2010 (sim, semana que vem).
E o representante do Grupo de Geoprocessamento da Geologia - USP, o doutorando Fabrício, já se encontra lá em Valência para apresentar seu trabalho e o do Comitê da Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul (São Paulo), e fazer novos contatos com o pessoal espanhol que usa e desenvolve o gvSIG, principalmente nas Universidades, que já foi iniciado pelo nosso coordenador e orientador, o Professor Arlei Macedo, aqui do IGc/USP. À ele desejamos boa sorte e que volte trazendo muitas novidades e experiências sobre o gvSIG para nós.
Quem tiver a oportunidade de ir lá, assista a apresentação no dia 01/12, seção 3:

- Migração para gvSIG do SIG-RB – SIG da Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul, SP – Brasil
ARLEI BENEDITO MACEDO (Instituto de Geociências – Universidade de São Paulo)
FABRÍCIO BAU DALMAS (Instituto de Geociências – Universidade de São Paulo)

Acesse: http://jornadas.gvsig.org

quarta-feira, novembro 24, 2010

Marble (3D globe) - Globo Virtual Aberto para o Ensino Geográfico

The KDE Education Project
KDE Marble Desktop

Marble é um globo virtual e Atlas Mundial que você pode usar para aprender mais sobre a Terra: você pode passear em volta em panorâmica e zoom e pode procurar lugares e estradas. Um clique do mouse em um rótulo local fornecerá o respectivo artigo da Wikipedia.
Claro que também é possível medir as distâncias entre os locais ou ver a atual cobertura de nuvens. Marble oferece diferentes mapas temáticos: um mapa topográfico de estilo da sala de aula , uma visão de satélite, mapa de ruas, a terra durante a noite e os mapas de temperatura e precipitação. Todos os mapas incluem uma chave de mapa personalizado, para que ele possa também ser usado como uma ferramenta educacional para uso em salas de aula. Para fins educacionais você pode também alterar a data e hora e observar o céu estrelado e a mudança na zona de penumbra sobre de o mapa.
Diferente de outros globos virtuais Marble também dispõe de várias projecções: escolha entre um mapa plano ("Plate carré"), Mercator ou do Globo (3D).
O melhor de tudo: O Marble é o Software Livre / Open Source Software e promove o uso de mapas gratuitos. E está disponível para todos os principais sistemas operacionais (Linux / Unix, MS Windows e Mac OS X).

Marble Widget para desenvolvimento
O Marble é um componente genérico de mapa geográfico, leve, para uso em sua própria aplicação 4.x Qt / C + +. O MarbleWidget fornece uma solução pronta para a exibição de mapas e localizações. Isso inclui suporte para GPS e importação de arquivos KML / GPX.
  1. é multiplataforma e funciona em Windows, Linux e Mac OS X.
  2. corre decentemente, mesmo sem a aceleração de hardware. Ele só usa API Arthur Qt como uma pintura de backend. Opcional suporte a OpenGL está sendo trabalhado.
  3. usa vetores, bem como dados de bitmap. Marble puxa muito de seus dados de servidores de internet, mas também podem ser usados offline.
  4. fornece uma arquitetura de plugins e pode ser facilmente estendido para muitos casos de uso.
  5. tem suporte para diversas fontes de dados de terceiros, como OpenStreetMap, Wikipedia, KML, GPX, Nasa BlueMarble, OpenRouteService, etc.
  6. pode usar várias projeções: Globo, Flat ("Plate Carree") e Mercator.
  7. inicia-se muito rapidamente.

Imagem de Alta Resolução do Satélite ALOS sobre Tókio - Japão

Um interessante aplicativo web para demonstração das imagens do satélite japonês ALOS/Daichi com uma fusão de imagens multiespectral (sensor AVNIR-2 com resolução espacial de 10m) e pancromática (sensor PRISM com resolução espacial de 2,5m) pode ser conferido em:
http://www.eorc.jaxa.jp/ALOS/zooma/typ

O Satélite ALOS carrega a bordo 3 sensores:

  • AVNIR-2 - Advanced Visible and Near-Infrared Radiometer – Type 2 (visível e infravermelho próximo).
  • PRISM - Panchromatic Remote-sensing Instrument for Stereo Mapping (par estereoscópico de alta resolução permitindo além da fusão de imagens - com a imagem no NADIR, a restituição do relevo).
  • PALSAR – Phased Array L-band Synthetic Aperture Radar (imagem de RADAR, que permite reconhecimenho de feições texturais, como lineamentos, drenagens e áreas de desmatamento).
Para saber mais sobre as imagens do ALOS (Daichi, em japonês) visite o site especial do IBGE, que tem um acordo com a JAXA (Agência Espacial Japonesa) para distribuição das imagens para instituições de pesquisa com valores bem atraentes em relação ás empresas comerciais de venda de imagens de satélite.
Acesse: ALOS/IBGE

Geobox - ferramentas de SIG pré-instaladas ou para serem instaladas em seu Linux

Publicado no blog do MSIGOT - Mestrado em SIG e Ordenamento Territorial (Portugual):
Geobox - uma distribuição baseada no open source com software SIG pré instalado.

"A GeoBox pretende ser uma distribuição Linux, com uma diversidade de software aberto para SIG pré-instalado. Neste momento é baseada no Ubuntu, na versão 9.10. Dentro de dias, será distribuída uma nova versão da GeoBox baseada no Ubuntu 10.4.

Mas não é fácil manter uma distribuição actualizada, e lançar novas distribuições sempre que a base (Ubuntu) mudar também. Para isso, é preciso o contributo de todos. Se todos podermos ajudar um pouquinho, com certeza seremos capazes de mantar uma distribuição SIG de sucesso."

Software SIG actualmente pré-instalado na GeoBox

Lista um pouco desactualizada.

Servidores

  • MapServer
  • GeoServer
  • GeoNetwork

Bibliotecas Javascript

  • OpenLayers

Acesse: GeoBox

TerraView 3.6.0

Foi lançado no dia 22 de outubro de 2010 (sim, estou um pouco atrasado, mas fim de ano é complicado). As grandes novidades são os novos plugins. Foram lançados em versão Beta os seguintes plugins:
  • "Preenchimento de Células", para calcular valores para atributos de tabelas associadas a planos de informação do tipo celular. Seu objetivo é homogeneizar informações provenientes de diferentes fontes, em formatos distintos (dados vetoriais, matriciais, e também outros planos celulares), agregando-os em uma mesma base espaço-temporal.

  • "Processamento de Imagens", que disponibiliza funcionalidades de processamento digital como classificação, fusão, segmentação, registro, mosaico e outras.

  • "Gerador de plugins do TerraView ", que tem a finalidade de ajudar o programador na construção de um plugin para o TerraView , permitindo que ele se concentre apenas no trabalho criativo da implementação das funcionalidades.
Acesse: TerraView

terça-feira, novembro 09, 2010

Análise Estatística de Dados Espaciais

GeoDA (Geodata Analysis) é um programa gratuito para análise espacial e estatística de dados geoespaciais do Centro GeoDa de Análise Geoespatial e Computação da Universidade do Arizona - EUA, que desenvolve o estado-da-arte de métodos de análise geoespacial, geovisualização, geosimulação e modelagem de processos espaciais, implementados através de ferramentas aplicadas à investigação no campo das ciências sociais e ambientais e relacionadas com estas políticas. É uma alternativa mais completa ao Terraview (do INPE) com muitas ferramentas de análise espacial e estatística de mapas e dados amostrais (pontuais).

Nota: a versão GeoDa 0.9.5-i (Windows Installer) é recomendada apenas para Windows XP para outras plataformas (XP, Vista, 7, MacOSX e Linux) use o OpenGeoDA (open source - portátil, do tipo barra de botões).

quarta-feira, novembro 03, 2010

Sensoriamento Remoto e Análise de Imagens Abertos I

Opticks é uma plataforma expansível para sensoriamento remoto e análise de imagens livre e aberta.
"Se você já usou ferramentas comerciais como: ERDAS IMAGINE, RemoteView, ENVI, PCI-Geomatica ou Socet GXP, então você precisa dar ao Opticks uma chance. Ao contrário de outras ferramentas concorrentes, você pode adicionar novas capacidades ao Opticks, criando extensões. Ele oferece a capacidade de expansão mais avançados de qualquer outra ferramenta de sensoriamento remoto no mercado."

E-FOTO

E-FOTO: Uma estação fotogramétrica digital educacional livre sob a GNU/GPL
O objetivo do Projeto E-FOTO é viabilizar aos interessados em Fotogrametria, em particular aos estudantes dessa disciplina, o conhecimento dos princípios intrínsecos à Fotogrametria através do acesso à uma Estação Fotogramétrica Digital, quebrando as barreiras de custo inevitavelmente associadas a essa empreitada. Esse objetivo foi alcançado através da criação de um software livre e amigável, com o grande diferencial de poder ser executado em máquinas de arquitetura simples (não necessariamente os computadores de última geração) e de permitir a visão tridimensional ou estereoscópica através de um par de óculos em anaglifo, facilmente adquirível pela internet.

ESOP - Associação de Empresas de Software Open Source Portuguesas

"O Open Source, segundo a definição criada pela Open Source Initiative (OSI) é um método de desenvolvimento de software que se baseia no poder da distribuição de processos e na sua transparência. O Open Source promete uma melhor qualidade e fiabilidade, mais flexibilidade, menores custos e um fim ao código proprietário e fechado."

ESOP: Fundada por empresas líderes de mercado e assente sobre pessoas dinâmicas, agrega um vasto conjunto de competências podendo intervir nos mais diversos cenários de prestação de serviços profissionais. Das PME às grandes organizações, das associações à Administração Pública, do servidor ao posto de trabalho a ESOP aponta para as soluções de futuro em Tecnologias de Informação.

Com princípios sólidos de competitividade, a ESOP defende e promove activamente os conceitos de Software Aberto, Interoperabilidade, Normas Abertas e Independência de Plataforma."

Asociación gvSIG: Nuevas ideas para un nuevo modelo.

La Asociación gvSIG tiene como objetivo la sostenibilidad del proyecto gvSIG y el desarrollo de la Geomática Libre.

Entorno a los valores democráticos y solidarios propios del Software Libre plantea el desarrollo de un nuevo modelo de negocio basado en la Cooperación y el Conocimiento compartido donde parte del beneficio generado revierta en el fortalecimiento del Proyecto gvSIG.

La sostenibilidad del proyecto gvSIG se fundamenta en el mantenimiento de la Estructura Profesional gvSIG y las infraestructuras necesarias de la Comunidad gvSIG.

Más información sobre gvSIG en

Apresentações do FOSS4G 2010

Estão disponíveis para baixar as apresentações do FOSS4G 2010 (Free and Open Source Software for GIS) o maior congresso internacional de SIG aberto. Diversas novas tecnologias foram lançadas e também tem muitas palestras sobre os SIG atuais.
Também estão disponíveis as apresentações das 1° Jornadas Brasileiras de gvSIG no site: