Calendar

São Paulo - SP / Brasil.

segunda-feira, junho 30, 2008

Agricultura de Precisão e GPS e Longitude

Eu estava buscando referências sobre o livro Longitude, de Dava Sobel, e encontrei o blog do Prof. José Rafael da Universidade de Évora, Portugual, onde ele fala do livro e da história da navegação. Também tem um bom artigo sobre GPS, escrito de forma clara e simplificada.
Acesse: http://agricultando.blogspot.com

SIG nas Prefeituras - Gestão Municipal Integrada

O Plano Diretor é obrigatório para as cidades com mais de 20 mil habitantes e para
municípios integrantes de regiões metropolitanas. A primeira etapa de um Plano Diretor Municipal é caracterização da realidade do município, através de seus recursos e fatores de limitação. Esta etapa, denominada diagnóstico, pode ser realizada com relativa facilidade, utilizando ferramentas computacionais adequadas e dados geograficamente referenciados. Assim, como já é obrigatório o georreferenciamento de imóveis rurais, o mesmo procedimento poderá ser adotado para os Municípios.
Acesse: http://www.cidades.gov.br (Ministério das Cidades)
A FUNCATE em parceria com o INPE está desenvolvendo um modelo GMI - Gestão Municipal Integrada, utilizando a tecnologia Terralib, a Gestão Municipal Integrada tem como metodologia o uso de Imagens de Satélite, Mosaicos digitais de alta resolução, Geoprocessamento e Informática, Mapeamento Ambiental, Capacitação e Treinamento, Atendimento ao Cidadão.
Acesse: http://www.funcate.org.br:8080/Funcate/geo/prefeitura/index.htm

sexta-feira, junho 27, 2008

Novo Estilo do Site - Homenagem a J.R.R.Tolkien

Enquanto eu escolho um novo formato para página do blog eu vou usar esse template, desenvolvido por Viktor Person (http://arcsin.se/en), com licença Creative Commons, o que quer dizer que pode ser usada e adaptada livremente, desde que se dê os créditos ao autor.
Lembrando também que a obra "O Hobbit" e outras escritas por Tolkien pertence á sua família, com todos os direitos autorais reservados. Portanto se qualquer elemento desse site contiver material reservado ou que violem algum direito, peço que os detentores de direito comuniquem ao Administrador do blog para que o mesmo seja retirado.

quinta-feira, junho 26, 2008

Globos Virtuais 3D

Além do Google Earth, Virtual Earth (Microsoft) e Nasa World Wind que disponibilizam Serviços de Mapas pela Internet via navegador Web (WMS - Web Map Service) ou aplicativos desktop para se conectar a Servidores de Imagens pela Web - IWS, outras empresas já tradicionais de SIG agora disponibilizam seus navegadores 3D: ArcGIS Explorer (ESRI) e Titan (ERDAS/Leica) que são clientes gratuitos. Isso não é novidade pois quase todos WebGIS (uDIG, MapWindow, JUMP, Thuban) e Desktop GIS (Quantum GIS, gvSIG) Open Source já o fazem e seguindo as especificações OpenGIS. O interessante do ERDAS Titan é o Geospatial Instant Messenger, isso mesmo, uma espécie de ICQ que permite se comunicar com outros usuários enquanto se navega pelo globo!
Outros IMS clients gratuitos (extraido da Wikipedia e revisado):
SkylineGlobe TerraExplorer viewer
Poly9 FreeEarth - API incorporada ao navegador (Flash/Java applet) estilo Google Maps API;
GRIFINOR - GeoVizualization - aplicativo open source de Globo Virtual 3D feito em Java;
Dapple Earth Explorer - é um explorador global de dados. É um projeto da Geosoft desenvolvido segundo o Open Source Initiative (OSI).
3D VRML globe - usa plug-in VRML (Virtual Reality Modeling Language) para exibir imagens 3D no navegador, mais detalhes acesse o site do Web3DConsortium;
CitySurfGlobeGIS - free OpenGL-based viewer for Virtual 3D Model;
PYXIS WorldView - é um WebGIS que implementa o conceito Digital Earth Reference Model, o site é muito confuso, e o cliente vai ser lançado só em 1 de julho de 2008 (talvez até lá eles parem de fazer filosofia de enrolação e esclareçam melhor a proposta do aplicativo).

Apostilas e Tutoriais

Se você ainda não tem a apostila "Manual do ArcGIS 9" do pesquisador Pedro Trocado do IST (Lisboa-Pt) então eu vou lhe dar um link, que infelizmente eu não sei se é o original, mas fica aqui o credito ao autor.
Acesse: http://213.63.184.54/SitioDoUrbanismo/manuais/manual_arcgis.pdf
Outra apostila muito boa é a do pesquisador Carlos H. Grohmann do IGc/USP sobre o GRASS 6.
Acesse: http://www.igc.usp.br/pessoais/guano/downloads/tutorial_grass6.pdf
Bem, como eu não quero incorrer em redundâncias (ai caramba!), é só você olhar nos links úteis do blog e acessar os blogs: http://divulgarciencia.com/ (Pt), http://labgeo.blogspot.com/
http://www.geolivre.org.br, http://www.geoprocessamento.net, que eles tem publicado muitas notícias sobre geoinformação e links de apostilas e tutoriais.

quarta-feira, junho 25, 2008

Material de Curso de Geoestatística

Material de Aula da Disciplina Análise Estatística de Variáveis Regionalizadas do Prof. Paulo Landim (Curso de Pós-Graduação em Geociências/UNESP-Rio Claro). São apostilas de curso sobre Geoestatística (Estatística Espacial, Análise de Variância, Krigagem e CoKrigagem) e dos programas relacionados: Surfer, GSlib, VarioWin e Geoeas.
O programa Surfer da Golden Software é pago ($599), porém de baixo custo e é muito utilizado por profissionais das áreas de mineração e ambiental. Fazem parte da suite de aplicativos o Didger para vetorização de mapas escaneados, MapViewer para visualisação e análise espacial de mapas temáticos e o Voxler para modelagem e visualização 3D.
Acesse: http://www.rc.unesp.br/igce/geologia/GAA01001/aulas.html
Outros textos estão disponíveis em: http://www.rc.unesp.br/igce/aplicada/DIDATICOS/textodi.html

SIG y Teledetección en la Universidad de Murcia

Página dedicada à apresentação de material sobre SIG e SR (teledetección), em especial sobre o programa GRASS GIS.
Acesse: http://www.um.es/geograf/sigmur

Alterações no Blog

Na tentativa de tornar o layout do blog mais agradável de ler eu estou reformulando o estilo da página e me aventurando em editar os html's
O conteúdo porém permanece o mesmo, bem como continuarei fazendo novas postagens.
Até que consiga achar um estilo agradável de página o meu blog estará em reformulação visual.

sábado, junho 21, 2008

Dicionário Livre de Geociências

Não deixe de conferir a excelente iniciativa do Professor Eurico Zimbres da Faculdade de Geologia/UERJ que desenvolveu o Dicionário Livre de Geociências, no melhor estilo Wikipedia, porém com a supervisão de professores e pesquisadores. Como tudo na Wikipédia, as informações são livres e com desenvolvimento colaborativo de assuntos ligados ás Ciências da Terra.
"Aqui você encontra informações sobre Geografia, Geologia, Cartografia, Geoprocessamento, Sensoriamento Remoto, Geomorfologia, Oceanografia, Mineralogia, Espeleologia, Água subterrânea, Hidrologia, Gemologia, Astronomia, Geologia Econômica, Agronomia, Ecologia, Geofísica, Mineração, Paleontologia, Pedologia, Topografia, Agrimensura e muito mais.
Diferentemente de outros projetos de produção de conhecimento livre, os quais apoiamos, este Dicionário tem editores responsáveis que possuem autoridade para modificar ou deletar as matérias publicadas, segundo critérios técnico-científicos." Contatos: zimbres@uerj.br
Acesse: http://www.dicionario.pro.br

sexta-feira, junho 20, 2008

KartoMNT - Modelagem Numérica de Terreno

Mais um bom programa Open Source para Modelagem Numérica de Terreno (MNT ou DTM), o KartoMNT roda sobre Máquina Virtual Java (Java Runtime Machine ou JRE), ou seja para qualquer SO, Windows ou POSIX (Unix, Linux, BSD, MacOSX). A grande vantagem desse modelador de origem francesa é que ele é capaz de vetorizar as curvas a partir de um mapa escaneado (GIF ou JPG). O aplicativo vem em 3 linguagens: Francês (default), Inglês e Espanhol, o problema é que para mudar a lingua é preciso editar "na mão" o arquivo de configuração. O modelo gerado pode ser visualizado no 3D Viewer que é incorporado no programa.
Acesse: http://kartomnt.free.fr

Open Source Lab da Microsoft Corp.

Port25 é o lar da comunidade open source na Microsoft, que dedica-se a discutir temas relacionados a tecnologia da Informação, Código Aberto e Interoperabilidade. Isso representa uma conversa aberta dedicada ao Linux, Windows e interoperabilidade de fonte aberta.
Sim, se você abrir um pouco mais a sua concha verá que existe um mundo enorme lá fora. E isso pode ser traduzido por iniciativas até então não convencionais como a Microsoft apoiando a iniciativa Open Source (Open Source Census e o SourceForge.com 2008 Community Choice Awards). Claro que não quer dizer que vamos ter um Windows Open Source, nem tampouco a Microsoft vai se apropriar dos programas Open Source. A idéia é tornar cada vez mais compatíveis os aplicativos que usamos no nosso PC (ou x86) seja para quem usa Linux ou Windows (e como já acontecia com o MacIntosh da Apple e o Windows). Seria muito engraçado comprar um MS Office para Linux, mas se fosse com o Age of Empires até que seria uma boa... (AoE tem versão Mac faz tempo!). Só tendo a mente aberta para sermos realmente livres.
Acesse: http://port25.technet.com ou http://porta25.technetbrasil.com.br
Aproveite também para conhecer os gigantes que apoiam o Open Source e o Linux:
http://www.linuxfoundation.org/en/Members
-------------------------------------------------------------------------------------------
"Conheceis a verdade e ela vos libertará ." - nenhum dogma pode ocultar a verdade para sempre, só o conhecimento pode derrubar os muros da ignorância.

terça-feira, junho 17, 2008

SIG agrega informações para o desenvolvimento do Vale do Ribeira

Em tempo: leia a notícia publicada no portal do Governo do Estado de São Paulo sobre o lançamento do Sistema de Informações da Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape e Litoral Sul (SIG-RB) no dia 29 de julho de 2007.
Acesse: http://www.saopaulo.sp.gov.br/sis/lenoticia.php?id=86376
Veja também:
-O projeto social desenvolvido na SubPrefeitura do Itaim (Zona Leste de São Paulo) “Base Comum de Conhecimento Cidadão” que capacitou jovens nas áreas de Geoprocessamento usando o software livre TerraView, Hardware, Cooperativismo, Reciclagem, Informação e Pesquisa, Biblioteca e Informação. A Cooperativa Mira Peripheria Digital - MPD é resultado da percepção e da união dos alunos que após a capacitação decidiram por em prática o aprendizado realizado nesse processo. Como primeiro trabalho da Cooperativa eles coletaram informações georreferenciadas sobre a comunidade que mora na Bacia do Córrego Itaim, para o Projeto Córrego Itaim que foi desenvolvido pelos jovens da cooperativa MPD com o apoio da Audoc.con Consultoria, Subprefeitura do Itaim, SVMA e Sabesp.
Acesse: http://www.itaimpaulista.com.br/bccc

Lista de programas de SIG (GIS Software)

Ainda não achou um programa de SIG para desenvolver seu projeto de pesquisa ou profissional? Aqui vai mais algumas listagens de programas gratuitos ou comercial* disponíveis na web:
Portais de projetos de SIG gratuito:
http://www.freegis.org/ - software overview on Free Geographic Information Systems;
http://www.maptools.org/ - users and developers in the open source mapping community;
http://opensourcegis.org/ - a complete index of OpenSource / FreeGIS related software projects;
http://www.osgeo.org/ - support and build the highest-quality open source geospatial software;
Servidores de programas e codigos-fonte de projetos Open Source:
SourceForge.net - Servidor de projetos Open Source, ;
http://code.google.com/ - APIs & Developer Tools and Open Source Programs.
Sites de projetos e listas de programas de SIG:
http://software.geocomm.com/ - The source for GIS and Mapping Software;
http://karto.free.fr/liens.html - Quelques Liens utiles, logiciels de cartographie et SIG;
http://www.zonums.com/ - Hydrology, Watershed, CAD, GIS and Remote Sensing Tools;
http://www.gisdevelopment.net/downloads/gis - The Geospatial Resource Portal;
http://www.mapcruzin.com/free_gis.htm - Comprehensive collection of GIS programs and tools;
http://www.procig.org/ing/resources-soft.htm - Central American Geographic Informaction Project;
http://www.ai-geostats.org/ - A Web Resource for Geostatistics and Spatial Statistics;
http://www.dpi.inpe.br/gilberto/software.html - Free and Open Source GIS Software
Developed by INPE;
http://www.geoplan.ufl.edu/software.html - general-use GIS software (free and commercial);
http://www.geo.uni-bonn.de/members/haack/gis-software.html - GInfoServer;
http://gislounge.com/ - a GIS information portal;
http://kb.iu.edu/data/arml.html - small list of applications UITS recommends;
http://www.rockware.com/home/lobbyAll.php - Earth Science and GIS Software (commercial with price list);
http://www.ramas.com/software.htm (by Applied Biomathematics ) - banido em Israel (piadinha), é um programa para aplicações ambientais e análise de risco ($195). Noticias, tutoriais, fóruns:
http://grass.institutoecos.org.br - Site em português sobre o GRASS
http://www.geog.ubc.ca/courses/klink/tutorials/tutorials_main.html - GIS tutorial pages;
http://www.directionsmag.com/files/index.php - GIS news magazine / GIS File Library;
http://www.geoprocessamento.net - Geo.Net forum de discussão sobre SIG (obrigatório se cadastrar!!)
http://www.gita.org.br/gita.php - Associação de Tecnologia e Informação Geoespacial;
http://www.mundogeo.com.br - Portal de Notícias de Geotecnologias (Revista InfoGEO)
http://www.fatorgis.com.br - Portal de Notícias de Geotecnologias
Software Livre e Geoprocessamento:
http://listas.softwarelivre.org/ - Lista do Projeto Software Livre Brasil (not about GIS);
http://www.igeo.ufrj.br/gruporetis/phpmyfaq/index.php?action=artikel&cat=1&id=121&artlang=pt-br - Software gratuito para SIG;
http://www.geolivre.org.br/ - portal dedicado à disseminação de tecnologias baseadas em software livre e código aberto com enfoque em geoprocessamento;
List of GIS software - Wikipedia: http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_GIS_software;
Comparison of GIS software: http://en.wikipedia.org/wiki/Comparison_of_GIS_software;
Glossário de Geoprocessamento e Cartografia: http://www.geominas.mg.gov.br/glossario/geogloss.html
Por enquanto é só, mas eu pretendo atualizar essa listagem em breve, portanto não deixe de conferir.
--------------------------------------------------------------------------------
*Tanto faz se for "livre" ou "proprietário", ideologia social á parte, eu apoio claramente todos os projetos de desenvolvedores que se esforçam para o progresso da Geoinformação (ou Geomática), respeitando o direito de liberdade deles de distribuirem seus programas de forma gratuita ou cobrando por seu trabalho. No caso, eu dou bastante visibilidade aos FOSS (Free and Open Source Software), seja "livre ou proprietário" não me importo com ativismo. Por exemplo, o SPRING é gratuito mas não é Open Source (nem tampouco "livre"), enquanto que o TerraView (Terralib) é Open Source mas não é "livre", pois o kernel é de propriedade do DPI/Inpe. Segundo a FSF só é software livre aquele que for totalmente aberto e gratuito e que por isso possa ser modificado livremente (daí o tal de "livre"), sendo que todas as modificações permaneçam abertas e gratuitas.

segunda-feira, junho 16, 2008

Consulta à legislação e normas do Sistema Confea-Crea

Agora ficou mais fácil acessar a legislação do Sistema Confea-Crea. Uma nova ferramenta de busca foi desenvolvida com o objetivo de simplificar a vida dos usuários, oferecendo diferentes possibilidades de acesso e um visual mais limpo.É possível encontrar os normativos que regulamentam e regem o exercício profissional da Engenharia, Arquitetura, Agronomia, Geologia, Geografia e Meteorologia, dos tecnólogos e dos técnicos industriais e agrícolas, e o funcionamento do Confea e dos Creas.
Acesse: http://normativos.confea.org.br

"Surpresa Geológica: o acidente do metrô foi obra da natureza!"

A tão festejada PPP (Parceria Público-Privada) na construção da Linha-4 (Amarela) do Metrô de São Paulo que serviu de base à campanha de Geraldo Alckmin para presidência em 2006 resultou no maior desastre da história do Metrô: uma cratera se abriu na obra de escavação da linha onde será a futura estação Pinheiros da linha Amarela.
Obviamente a imagem do Metrô e do Governo fica ou está ficando mais exposta na mídia do que do próprio consórcio de construtora responsável pela obra. Nesse tipo de contrato, todas as decisões técnicas são da responsabilidade das construtoras envolvidas na execução da obra pois houve uma mudança de gestão de obra do Metrô, onde antigamente a empresa contratava a construtora para execução da obra e o gerente da obra era do Metrô. O gerente de obra do Metrô tinha uma boa noção de gerenciamento de riscos, tinha uma preocupação da interferência da obra em relação à circunvizinhança e bastante experiência profissional de outras obras do Metrô. A segurança da obra e da vizinhança eram prioritárias no desenvolvimento da obra.
Atualmente a gestão da obra é da empreiteira, tipo de contrato preço fechado (turn key), as decisões é da empreiteira, onde o gerente atual está mais preocupado com a execução da obra, pois o enfoque hoje é a produção, prazo de obra, etc. que também deve ter influído no desastre.
- O Consórcio Via Amarela, integrado pelas construtoras Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez comunica que as causas do acidente ocorrido na obra da futura Estação Pinheiros, estão sendo analisadas por empresas projetistas do mais alto reconhecimento técnico e experiência internacional. As fortes chuvas das últimas semanas que assolaram a capital paulista com grande intensidade e duração levam a indícios de que teriam causado uma reação anômala e inesperada no maciço de terra em que se encontra a obra, provocando o seu repentino colapso e conseqüente desmoronamento.
- A Companhia do Metrô recebeu hoje (6 de junho), por volta das 19h30, o relatório do IPT que revela as causas do acidente ocorrido em janeiro de 2007 na Estação Pinheiros da Linha 4 - Amarela, juntamente com o relatório o IPT produziu um vídeo com recursos de computação gráfica que sintetiza o relatório do Instituto. Clique aqui para ver o vídeo.
Confira na íntegra o que foi publicado sobre os laudos apresentados pelo CVA e pelo IPT no portal G1 (globo):
CVA: Laudo encomendado por consórcio culpa rocha por desabamento no Metrô.
IPT: O laudo oficial do IPT concluiu que uma sucessão de erros provocou o mais grave acidente na história do Metrô de São Paulo.
------------------------------------------------------------------------------------------------
O resultado do trabalho do IPT está em 29 volumes, de mais de 400 páginas, e um vídeo.
Entre as onze causas apontadas estão:
- o modelo geológico do local não foi levado em consideração;
- o projeto previa a construção em terreno seco, mas a investigação identificou a presença de água;
- o aprofundamento de uma rampa, não prevista no projeto, aumentou a exposição das paredes dos túneis;
- a inversão no sentido da escavação pode ter colaborado para a instabilidade do túnel;
- o comportamento estranho da obra exigia avaliações de estabilidade, e não há documentos que comprovem esta ação;
- a falta de pinos e suportes suficientes nas paredes laterais e no teto da escavação;
- a deficiência na fiscalização dos trabalhos;
- as detonações no dia 12 de janeiro, que produziram vibrações na estutura;
- a inexistência de uma gestão de risco fez com que a possibilidade de desabamento não fosse identificada;
- a falta de um plano de emergência para a retirada de pessoas do local.
N.A: É fato reconhecido internacionalmente entre todos os profissionais de Geotecnia (Engenheiros e Geólogos - sim eles existem!) que os geólogos brasileiros (Petrobrás, CPRM, Docegeo/Vale, Digeo/IPT-SP, Metrô/SP, e outras instituições e universidades) são os maiores conhecedores da geologia do território brasileiro e paulista (principalmente no caso dos dois últimos), portanto os mais capacitados, experientes e competentes para atuar em toda grande obra de construção civil ao lado de engenheiros e outros profissionais, sendo sua presença imprescindível (DECISÃO NORMATIVA Nº 063, DE 05 MAR 1999 - CONFEA). Dessa forma, o Sr. Nick Barton (Especialista inglês em escavações de túneis na Europa, contratado pelo CVA) há de concordar que nós tupiniquins temos conhecimento e tecnologia para ver que, como diria Drummond, "no meio do caminho havia uma pedra", quase aflorante, de 15 mil toneladas, que estranhamente se vaporizou após o acidente - isso sim uma surpresa geológica!
Por fim, Geólogos existem, fazem parte do Confea, ou seja, tem CREA! e são grandes responsáveis pelo progresso e desenvolvimento do nosso imenso Brasil.

quinta-feira, junho 12, 2008

Linux is Not GNU (Gnu is Not Unix)

O Projeto GNU, foi iniciado em 1984 com o objetivo de criar um sistema operacional totalmente livre, que qualquer pessoa teria direito de usar, modificar e redistribuir, o programa e o seu código-fonte, desde que garantido para todos os mesmos direitos.
Em 1991 o sistema operacional já estava quase pronto, mas faltava o principal, que é o kernel do sistema operacional. O grupo liderado por Richard Stallman estava desenvolvendo um kernel chamado Hurd, baseado no micro-kernel Mach. Porém, nessa mesma época um jovem finlandês chamado Linus Torvalds havia criado um kernel que poderia usar todas as peças do sistema operacional GNU. Este kernel ficou conhecido como Linux (na verdade um sistema operacional com um núcleo base onde qualquer um poderia implementar as ferramentas que bem lhe conviesse, formando assim um SO personalizado pelo usuário/programador).
O Linux foi construido a partir do micro-kernel Minix que por sua vez é derivado do Unix. No caso do Mac OS X o kernel é o XNU e o core do sistema é o Darwin que por sua vez é baseado no kernel Mach e componentes BSD (FreeBSD), também derivados do Unix (Unix-like, pois seguem as normas POSIX - Portable Operating System Interface para sistemas UNIX da ISO ou adotam a "Single UNIX Specification", do Open Group, que é aberta, ou no caso do Linux a Linux Standard Base). O Darwin (cujo mascote é um ornitorrinco) é um SO Unix-like open-source para computadores MacIntosh da Apple e PC's, nestes porém ainda não é compatível com todos os hardwares. Tem uma versão "livre" que é a distribuição GNU-Darwin.
Assim, GNU pode ser entendido como um conjunto de aplicativos, bibliotecas e outros suplementos que devem ser complementados por um kernel (Hurd, Linux, Darwin) para ser um Sistema Operacional. Outros aplicativos como X-Window, KDE, Qt, Python, Apache, MySQL, Postgres são exemplos de programas Open-Source que não são GNU.
N.A.: textos extraídos da Wikipedia - a enciclopédia livre.

quinta-feira, junho 05, 2008

Mapa Digital Oficial de Porto Alegre - RS

Aqui você consulta o Mapa Digital de Porto Alegre totalmente gerado pela Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Ele contém todos os logradouros da cidade, códigos de CEP, bairros e regiões do Orçamento Participativo.
Importante salientar que foi desenvolvido em MapServer, uma vez que o Rio Grande do Sul é o maior incentivador do Software Livre.
Acesse: http://geo.procempa.com.br/geo

Centro de Informações e Dados do Rio de Janeiro

A Fundação CIDE é um órgão vinculado à Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão, tendo por finalidade prover o Estado do Rio de Janeiro de todo o acervo de dados e informações básicas necessários ao conhecimento e acompanhamento da realidade física, territorial, ambiental, econômica, demográfica e social do Estado, disponibilizando ferramentas imprescindíveis para tomada de decisões nas mais variadas áreas de atuação governamental, empresarial e acadêmica.
Acesse: http://www.cide.rj.gov.br/cide/index.php
Rede LabGeo.RJ - Base de Dados Georreferenciados do Estado do Rio de Janeiro é constituída por um conjunto de instituições do Estado do Rio de Janeiro e de Prefeituras Municipais que são responsáveis pela produção e gestão de informações setoriais e mantêm os conjuntos dos seus bancos de dados, georreferenciados ou não, segundo as padronizações estabelecidas.
Acesse: http://200.156.34.70/website/index.htm
Para ver as informações disponíveis na Rede LabGeo.RJ acesse:
http://www.cide.rj.gov.br/cide/mapas_labgeo.php

Sistema de Análise Geo-Ambiental - S.A.G.A./UFRJ

SAGA/UFRJ é um sistema geográfico de informação (SGI), desenvolvido pelo LAGEOP (que constitiui uma rede de laboratórios de Geoprocessamento),visando aplicações ambientais em equipamentos de baixo custo. Para fazer o download do programa é preciso se cadastrar no site (com número de CPF inclusive!).
Acesse: http://www.lageop.ufrj.br/saga.php
Integrantes do LAGEOP:
http://www.lga.ufjf.br
http://www.lga.ufrj.br
http://www.ufrrj.br

Geoprocessamento Corporativo da Prefeitura de Florianópolis

Como resultado do projeto PMAT de Florianópolis a empresa VIAGEO estruturou um sistema Web para o acesso público de informações cartográficas e cadastrais do município este encontra-se atualmente no IPUF - Instituto de Planejamento Urbano de FLorianópolis.
Acesse: http://201.36.60.138/geo_fpolis/index3.php
O GeoGuia é uma aplicação GIS, contendo a cartografia do município ou região de interesse associada a um banco de informações dos logradouros, endereços de interesse público, dados históricos, físicos, culturais, turísticos e outros desenvolvido pela empresa ITIS.
Acesse: http://floripa.geoguia.com.br/com.itis.geo.guiaFloripa/guiaFloripa.html

Tecnologias de Geoprocessamento na Construção de Análises Temáticas

É um projeto do Dep. de Cartografia do Lab. de Geoprocessamento do IGC da UFMG, coordenado pela Professora Ana Clara Mourão Moura, e que disponibiliza material para difusão das novas tecnologias de Geoprocessamento, com apostilas e base de dados para exercícios (para os programas ArcView, Mapinfo e SPRING/TerraView) além de trabalhos em PDF publicados.
Acesse: http://www.cgp.igc.ufmg.br/projetos/peg2007grazi
Também tem o projeto "Novas Tecnologias de mensuração e difusão de dados do relevo".
Acesse:http://www.cgp.igc.ufmg.br/projetos/mde

Ônibus em São Paulo / Endereços e Rotas

Antes de pegar ônibus na cidade de São Paulo dê uma olhada no site Olho Vivo da SPTrans, nele você poderá consultar em tempo real a situação do trânsito nos corredores de ônibus da capital, com distância percorrida, velocidade média dos ônibus e tempo de percurso, condição da via (rápida-moderada-lenta), tudo constantemente atualizado num pratico mapa em flash.
Além disso no site da SPTrans você também pode consultar os itinerários dos ônibus, por Origem/Destino (digitando o CEP ou logradouro de ambos) com opções: dia útil ou feriado, horario, tempo/custo, distância a pé e integração com o Metrô ou CPTM (trens) ou então pelo nome ou número da linha e o local por onde passa ou saber quais linhas saem de um determinado terminal. O roteiro é mostrado em forma de tabela (infelizmente não em um mapa) com todas as informações do percurso, inclusive onde fazer as transferências/integrações pelo caminho. E com o bilhete único pelo custo de uma única passagem (R$2,30), ou se integrado com o metrô/trem paga-se R$3,65, relativo a até 4 viagens no período de 2 horas, sendo uma viagem no Trem/Metrô e mais três ônibus (05/06/08).
Caso você queira ver o mapa do percurso você pode consultar algum serviço roteirizador como o Maplink ou o Apontador. Neles também é posssível encontrar um endereço ou ponto de interesse (como cinemas ou restaurantes) ou traçar rotas urbanas (com condições do trânsito em tempo real com dados da CET) ou rodoviárias (com condições das pistas, localização de radares e pedágios, tempo e custo estimado da viagem calculado pelo preço dos pedágios + gasto com combustível).
Obs: no momento o serviço rotas rodoviárias só é gratuito no Apontador. Todos os dois tem integração com o Google Maps.

quarta-feira, junho 04, 2008

Muito além do WINDOWS

Para quem ainda não sabe existem outros Sistemas Operacionais além do Microsoft Windows (DOS, Windows 3.11, Win95, 2000, XP e Vista). Atualmente, Unix (ou *nix) é o nome dado a uma grande família de Sistemas Operacionais que partilham muitos dos conceitos dos Sistemas Unics originais (Laboratórios Bell, 1969), sendo todos eles desenvolvidos em torno de padrões como o POSIX (Portable Operating System Interface) e outros. Alguns SO derivados do Unix são: BSD (FreeBSD, OpenBSD e NetBSD), Solaris (anteriormente conhecido por SunOS), IRIX, AIX, HP-UX, Tru64, Linux (nas suas centenas de distribuições), e até o Mac OS X (baseado em um kernel Mach BSD chamado Darwin) e o GNU Hurd (o kernel GNU).
Talvez o mais conhecido para uso em computadores pessoais (IBM-PC/x86) seja o GNU/Linux system (kernel Linux e o toolset GNU), com suas diferentes "distros", por ser gratuito e de código-fonte aberto (FOSS), e por ter uma verdadeira seita (FSF) que propaga a filosofia do Free Software. Outro Unix-like OS é o FreeBSD, derivado da versão BSD Unix da University of California, Berkeley. Além do pinguim (TUX do Linux) e do capetinha (Daemon ou Beastie do BSD) existe o FreeDOS, inspirado no bom e velho DOS do Bill Gates. Por fim não posso deixar de citar o finado Macintosh feito exclusivamente para os computadores Apple, inventora do sistema com janelas gráficas (windows) e dos mais belos computadores.

Aplicativos para Shapefile

O ShapeViewer desenvolvido por Mohammed Hammoud de Ajman – Emirados Árabes Unidos, é um programinha que permite abrir arquivos shapefile, bem leve e simples é uma maneira rápida de se visualizar os seus dados. Já o DBF Explorer da Pablo Software Solutions é um programa bem mais completo que permite editar arquivos DBase III, como adicionar ou alterar campos, modificar a estrutura do campo (char - texto ou string, numeric, float, date, logical), acrescentar ou apagar registros, encontrar e substituir registros. Ambos são freeware.

Localize-se

Hoje em dia não há mais como se perder, não conseguir encontrar um endereço ou como chegar a um determinado local. Diversos serviços de mapas e imagens de satélites se espalham em poderosos servidores pela web, como o Google Maps (aplicativo Google Earth), Live Search Maps (aplicativo Virtual Earth). Todos dão acesso a imagens de satélite ou aerofotos de alta resolução espacial, mapas com arruamentos geocodificados do serviço Maplink, que permite encontrar um endereço ou então traçar uma rota e os modelos digitais de terreno que permitem ver tudo em 3D, podendo-se virtualmente sobrevoar qualquer lugar do globo. Tem ainda informações sobre trânsito on-line, pontos de referência (bancos, shoppings, cinemas, etc) e também páginas que incorporam esses serviços (através de API's - Application Programming Interface) que permitem a qualquer um anexar esses serviços ao seu site, como por exemplo o que foi desenvolvido pela prefeitura de São Paulo, o Infolocal, onde além dos mapas e imagens foram acrescentados camadas (layers) com dados da própria prefeitura.
Já com os aplicativos (como o open source World Wind da NASA) você pode digitalizar seus layers diretamente sobre os mapas e imagens ou sobrepor os vetores criados no seu SIG, precisando para isso de um programa que faça a conversão para o formato KML - Keyhole Markup Language. Para o formato padrão Shapefile usado por muitos SIG's existem vários aplicativos.
Gratuitos: http://www.zonums.com/index.html (KML para SHP ou CAD e outras ferramentas para GE: conversor de coordenadas, medidor de distâncias, etc); Reimers.dk SHP2KML; Extensão SHP2KML para ArcGIS 9; gSpatial Toolbar.
Pagos: Shape2Earth para MapWindow ($29.99), Arc2Earth ($99 - $299).
Visite o Google Earth Blog para ficar por dentro de novidades.
Outra ferramenta interessante é o Thematic Mapping Engine (TME) que permite à você visualizar estatisticas globais no GE, desenvolvido por Bjorn Sandvik da United Nations Association (UNA) da Noruega, com dados da Divisão de Estatística da ONU (UNdata). O aplicativo gera um arquivo KMZ para ser aberto no Google Earth.